Novos patrimônios mundiais declarados pela UNESCO

0

A Unesco acaba de nomear 22 novos locais como Patrimônio Mundial da Humanidade, nas categorias cultural e paisagem natural. Os lugares vão de cidades a sítios arqueológicos como o Cais do Valongo, no Rio, e Aphrodisias, localizado na parte superior do Rio Morsynus, na Turquia. No sítio arqueológico fica o Templo de Afrodite, que data do século III, e a cidade, que foi construída um século depois. As ruas são organizadas em torno de várias e grandes estruturas cívicas, que incluem templos, um teatro, uma ágora e dois complexos de banho | Aphrodisias Museum/Divulgação

A Catedral e o Monastério da Assunção, na cidade de Sviyazhsk, na Rússia, estão situados na confluência dos rios Volga, Sviyaga e Shchuka, na encruzilhada das rotas da Seda e do Volga. Os afrescos da catedral, fundada por Ivan, o Terrível, estão entre os exemplos mais raros de pinturas murais ortodoxas orientais | Dmitrii Karpov / Dmitrii Karpov

A cidade murada de Ahmadabad, fundada pelo sultão Ahmad Shah no século XV, na margem oriental do rio Sabarmati, na Índia, apresenta uma rica herança arquitetônica do período do sultão, como a cidadela de Bhadra, as paredes e portões do Forte e numerosas Mesquitas e túmulos, bem como importantes templos hindus de períodos posteriores | Danish Kinariwala / Danish Kinariwala

Kulangsu, na China, está localizada no estuário do rio Chiu-lung, a pequena ilha fica de frente para Xiamen, cidade que abriu um porto comercial em 1843. Em 1903, a ilha foi considerada assentamento internacional tornando-se uma importante janela para as trocas chinesas com outros locais. Kulangsu se tornou um exemplo dessa fusão cultural, visível em sua arquitetura, que apresenta uma mistura de diferentes estilos, incluindo tradicional do sul de Fujian, o Clássico Ocidental e o Veranda Colonial | Qian Yi

Área do Templo de Sambor Prei Kuk, que fica no sítio arqueológico da antiga Ishanapura, capital do Império Chenla, que floresceu do final do século VI até o início do século VII. Os vestígios cobrem uma área de 25km² e incluem o centro da cidade murada, bem como numerosos templos, dez dos quais são espécimes octagonais e únicos de seu gênero no sudeste da Ásia. A arte e a arquitetura desenvolvidas neste local se tornaram modelos para outras partes da região | So Sokun Theary

História do Cais do Valongo – Rio de Janeiro
Atualmente, essa região está em alta, devido à modernização e revitalização da zona portuária. Entretanto, essa área da cidade do Rio de Janeiro tem em seu DNA muito da nossa história.
O Cais do Valongo tem uma ligação fortíssima com o período da escravidão no Brasil. Até meados de 1770, os negros escravizados vindos do continente africano desembarcavam na Praia do Peixe (atual Praça XV) e eram negociados na Rua Direita – hoje Rua 1º de Março -, no centro do Rio.
A presença dos negros africanos incomodava a elite, sobretudo portuguesa, que frequentava a região. Por isso, em 1774, uma nova legislação estabeleceu a transferência desse mercado para o Cais do Valongo, por iniciativa do segundo Marquês de Lavradio, Dom Luís de Almeida Portugal Soares de Alarcão d’Eça e Melo Silva Mascarenhas, vice-rei do Brasil.

Share.

About Author

Comments are closed.